sábado, 12 de agosto de 2017


















(Foto: Primavera (Rui Martins)

E tu me escreves: 
-"Meu amor, minha saudade!
Há tanto tempo não te vejo: há quasi um dia;
estou tão longe: do outro lado da cidade...
Tive sonhos tão bons esta noite! Vem vê-los:
ainda estão nos meus olhos loucos de alegria.
Sabes? esta manhã cortei os meus cabelos.
Denunciavam-me tanto! E a ti também, meu poeta...
Que alívio! Tenho a sensação de haver cortado
relações com alguma amiguinha indiscreta.
Agora estamos mais a nosso gosto. Agora
o meu gosto será bem menos complicado
Para pôr o chapéu, quando me for embora...
Sinto-me tão feliz! Tive um riso sincero
ao meu espelho: e esse sorriso revelou-me
que o meu único mal é este bem que eu te quero..."
. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
E quando chego ao fim da carta, sinto, vejo
que a minha boca toma a forma do teu nome:
a forma que ela tem quando vai dar um beijo...
Guilherme de Almeida (G. de Andrade e A.), nasceu em Campinas, SP, em 24 de julho de 1890, e faleceu em São Paulo, SP, em 11 de julho de 1969


domingo, 6 de agosto de 2017


Não me chame de fraca
Você não imagina quantas vezes
pedi para mim mesma não chorar...

E tive que sair por aí,
Com um sorriso que não era meu.

(Desconheço o Autor)


Almas especiais...



Entre um pensamento e outro,
sempre me vem a suavidade,
de algumas pessoas ao
demonstrarem os seus carinho...

E para mim essas pessoas são
mágicas porque fazem felizes
quem delas se aproxima, elas têm 
o dom de acalentar e saber abraçar
a alma sem tocar o corpo.

São educadas em dose dupla pelo
instinto de apaziguar e mediadoras
com apenas um olhar.

O básico do básico é ter educação,
mais elas têm mais...Elas possuem
um enorme coração, pronto a ouvir
e a se doar.

Essas pessoas, a quem me refiro, 
são portadoras da paz e estão por aí, 
caminhando entre nós.


Trazem brilho a mais e, assim
que as olhamos, sabemos que são

E S P E C I A I S
.

(Valquíria Cordeiro)





Não sei se poderia amar o Teu corpo
Como amo a Tua alma
O Teu corpo sente o que eu sinto
A Tua alma sente o que eu sou.

(Emílio Miranda)






Não pretendo ter graça, não pretendo ser profunda(o), 
não pretendo impressionar ninguém: 

recuperei a infância sou uma miúda(o) espantada (o).

(António Lobo Antunes)








Definitivamente não sou perfeita,
Mas tenho uma vantagem.
Sempre fui eu mesma,
Com todas as minhas imperfeições.


(Desconheço o Autor)




Quando meu olhar tocar o infinito e,
minh'alma, leve, partir ...
Sentirás em tua solidão,
o terno toque de minhas mãos.
Encontrarás meu sorriso,
dentro dos dias que te sonhei.
Serão teus, 
meus últimos versos.
Serão minhas, 
tuas lágrimas.


(Bruno de Paula)