terça-feira, 2 de agosto de 2011





Céu e Inferno


Intrigado com algumas coisas que ouviu, o menino perguntou para o avô enquanto caminhavam:

“Vô, no inferno tem passarinho cantando?”
“Inúmeros. A perder de ouvido.”
“Tem flor?”
“Milhares e milhares delas, as mais lindas que podemos imaginar e outras tantas que a gente nem consegue.”
“Tem mar?”
“Muitos. Aliás, praias, conchinhas, ondas e surfistas também.”
“Tem abraço?”
“Dos melhores.”
"E o céu fica todo azulzinho quando faz sol?"
"Fica. Céu assim é tão bonito que chega até a comover, né?"
“As pessoas amam?”
“Amam. Gente é feita pra amar, embora geralmente erre um monte de exercícios enquanto está aprendendo.”
“Tem pipa?”
“À beça.”
“Tem chocolate?”
“É claro! Pode existir algum lugar onde não haja chocolate?”

O menino silenciou por alguns segundos, a expressão dizendo um desconcerto dos grandes, muito maior do que aquele que mostrou no tempo da primeira pergunta.

“Ué, vô, eu não entendo... Ouvi dizer que o inferno é tão ruim!”
“E é.”
“Mas se tem tudo isso...”
“Tem, sim, amado, as mesmas coisas do céu que você imagina estão também no inferno. Todas elas.”
“Então, é tudo igual?”
“Não. A diferença é que no inferno as coisas todas do céu continuam presentes, mas, por temporária impossibilidade, a gente não consegue percebê-las. "

(Ana Jácomo)

2 comentários:

  1. Muito legal o texto, adorei!!!

    ResponderExcluir
  2. Oi Elis...

    Ana Jácomo tem este poder de encantar nos com frequência.
    Beijinhos de luz em teu coração
    Alê.

    ResponderExcluir